terça-feira, 25 de setembro de 2012

Efeitos Da Quiropraxia no tratamento da hérnia de disco


EFEITOS IMEDIATOS DA QUIROPRAXIA NA HÉRNIA DE DISCO CERVICAL: ESTUDO DE CASO

Lorena Carneiro de Macêdo, Clarissa Dantas Ribeiro, José Roberto da Silva Júnior, Windsor Ramos da Silva Júnior, Danilo de Almeida Vasconcelos


Resumo



       A hérnia de disco cervical é uma alteração que acomete a coluna vertebral, provocando dor, diminuição da amplitude de movimento cervical e alterações de sensibilidade e condução nervosa nos membros superiores. A quiropraxia, através de ajustes articulares, promove a melhora da biomecânica articular, redução da dor e do espasmo muscular. O presente trabalho objetiva verificar os efeitos imediatos sobre a diminuição da dor e a amplitude de movimento da coluna cervical através da quiropraxia. Foi realizado um estudo de caso com uma paciente portadora de três hérnias de disco cervical. Para a avaliação dos resultados, utilizou-se a Escala Visual Analógica para avaliar a dor e teste dimensional angular com o goniômetro clínico para verificar a amplitude de movimento. O tratamento proposto consistiu de cinco atendimentos, com uma sessão por semana, sendo aplicado, durante cada sessão, o Protocolo Básico da Quiropraxia. Os dados foram analisados de forma estatística descritiva e inferencial, através do teste t-Student para dados pareados, adotando-se o valor de 5% para a aceitação da hipótese nula. Os resultados mostraram que houve 58% de diminuição da dor e aumento da amplitude dos movimentos da coluna cervical, destacando uma melhora de 38,85% na extensão cervical; 36,94% na rotação esquerda; e 31,21% na flexão lateral direita. Pode-se concluir que o tratamento corretivo para a hérnia de disco cervical baseado no protocolo quiropráxico de ajustes globais pode contribuir para a diminuição da dor e aumento da amplitude de movimento cervical. 


Para saber mais sobre tratamentos

www.colunasemdor.com.br

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Hérnia de Disco e Tratamento com Acupuntura


 A acupuntura é excelente para doenças funcionais, isto é, para aquelas onde apenas a função está alterada e não existe nenhuma lesão orgânica, o que dificultaria o tratamento.

E a hérnia de disco, é ou não uma doença orgânica? Existe uma lesão irreversível? Aparentemente não. O nome hérnia não é o melhor nesta situação, porém o uso o consagrou. O disco é um amortecedor que fica entre uma vértebra e outra. É feito de um tecido fibro-cartilaginoso e tem um núcleo gelatinoso. Parece um daqueles famosos chicletes que tem uma geléinha dentro.

O disco tem como função amortecer o impacto de uma vértebra sobre outra e também proteger as saídas das raízes nervosas de dentro da medula espinal. Para quem não tem muita familiaridade com a anatomia, vamos lembrar que de cada espaço entre uma vértebra e outra sai um nervo que irá alimentar cada partezinha do nosso corpo, seja um órgão nobre como o fígado ou um pequeno músculo no pé.


Figura mostrando vértebras, seus discos, a medula e raízes nervosas dela saindo.
Quando éramos alegres macaquinhos pulando para lá e para cá nas árvores e descendo de vez em quando ao chão, ficando poucos instantes de pé, não tínhamos problemas com a coluna. A partir do momento em que resolvemos nos firmar em dois pés para dominar o planeta, arrumamos encrenca com a nossa coluna.
Começamos a colocar um peso - exagerado, em alguns casos - em cima dessas vértebras e por conseguinte desses discos. Juntando-se a isso, o excesso de trabalho em atividades forçadas, como abaixar continuamente, levantar muito peso, torcer a coluna, ou ainda ao contrário, ficarmos muito tempo inativos em posições estranhas como sentar - sim, sentar é pior para a coluna do que ficar de pé - os nossos discos acabam suportando uma pressão para a qual não foram "construídos".
Visto de cima, discos com vários graus de comprometimento. Normal, começando a protusão, com protusão avançada e com "hérnia".
O disco então vai se achatando ou se protuindo para fora do eixo original. Em uma situação extrema, o anel fibroso se rompe e libera a geléia que guarda dentro, diminuindo ainda mais a sua capacidade amortecedora e criando uma estrutura externa que vai irritar a raiz nervosa.
Tanto a protusão como a "hérnia" provocam sintomatologia importante, que geralmente não é proporcional à lesão. Isso quer dizer, tem gente com pouca lesão e muita dor e gente com muita lesão e pouca dor.
A acupuntura pode agir de várias maneiras. A primeira é através da sua reconhecida capacidade analgésica. A segunda é através da ação antinflamatória. Sim, a acupuntura exerce intensa ação antinflamatória. Quer quiser ler algo sobre isso veja a bela pesquisa da Dra. Márcia Valéria, veterinária acupunturista, aqui.
Vista lateral, mostrando uma protusão discal irritando a raiz nervosa.
Outro efeito da acupuntura, extremamente eficiente -talvez o melhor, na minha opinião - é aquele relaxante muscular. Os músculos da coluna - que a mantém no lugar - são os principais responsáveis pela compressão dos discos. Ganham de longe dos traumas, pois acontecem rotineiramente, mesmo enquanto as pessoas dormem.
Pois a ação miorrelaxante da acupuntura é aquela que melhor resultados vai produzir no alívio não só dos sintoma da compressão - dor, formigamento, perda de força - como também na causa da patologia, que é justamente essa contratura muscular, não importa de onde provenha.


Exame de imagem mostrando uma herniação importante afetando diretamente a medula.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Hipermobilidade e Hipomobilidade e Osteopatia


Por: Felipe Ribeiro Mascarenhas
Fisioterapeuta


Quando temos uma Lesão Osteopática será evidente o surgimento de uma região na coluna vertebral que apresenta uma hipomobilidade. Isso significa que determinado segmento, que está em lesão, terá seus movimentos diminuídos e reduzidos de forma tridimensional.
 
Em contrapartida, quando um segmento da coluna tem seus movimentos reduzidos, outros segmentos compensarão essa falta, aumentando assim a amplitude de seus segmentos. Surgindo assim uma região de hipermobilidade.
 
A hipomobilidade sofre for ser uma região onde ocorre a Disfunção Somática. Sendo assim ela tem todas as consequências indesejáveis da facilitação medular, e normalmente mostra seus sintomas quando a região é provocada.
 
Já a hipermobilidade, é uma região que acaba sendo muito solicitada, sofrendo intensamente. São regiões que terão um índice maior de doenças degenerativas, tais como hérnia de disco e artroses. E uma característica desse sofrimento é a dor espontânea.
 
As hipomobilidades vertebrais surgem de acordo com as Leis de Fryette descritas a seguir
 
 
Copyright © Todos os direitos reservado para Felipe Ribeiro Mascarenhas
 
Atenção!
Se você deseja reproduzir, ou divulgar esse texto deve inserir o nome do autor e o endereço do sitewww.colunasemdor.com.br logo abaixo do título do texto.

domingo, 9 de setembro de 2012

Quiropraxia


 Daniel David Palmer (1845-1913) foi, como Still um produto da região centro-oeste dos Estados Unidos na metade do século XIX. Apesar de não ter se formado em medicina, tornou-se conhecido por praticar  a  cura   magnética, transformando-se em terapeuta manipulativo autodidata. Ainda há controvérsia a respeito de Palmer ter sido ou não paciente ou aluno de Still em Kirksville, Missouri, mas sabe-se que Palmer e Still conheceram-se  em  Clinton, lowa, no início do século XX. D.D. Palmer circulou bastante pelo país e fundou sua primeira escola em 1896. Os primeiros colégios foram os de Davenport, lowa, e de OklahomaCity, Oklahoma.
    Embora D.D. Palmer tenha recebido crédito pela origem da quiropraxia, foi seu filho, Bartlett Joshua Palmer (1881-1961), que impulsionou a profissão quiroprática. Segundo os conceitos originais de Palmer, a causa da doença era uma variação na expressão da função neural normal. Ele acreditava na "inteligência inata" do cérebro e do sistema nervoso central e achava que alterações na coluna vertebral (subluxações)  alteravam  as    funções  neurais , provocando   a  doença.  A remoção da subluxação pelo ajuste quiroprático era considerada como tratamento. A quiropraxia jamais preconizou ser uma escola total de medicina e nãoensina cirurgia nem o emprego de medicamentos, além de vitaminas e analgésicos simples. Permanece então uma cisão, dentro da profissão quiroprática, entre os "conservadores", defensores e adeptos dos conceitos originais de Palmer, e os "liberais", que acreditam numescopo mais amplo da quiropraxia, que inclui outras intervenções terapêuticas, como a fisioterapia, a eletroterapia, dieta e vitaminas.
      Em meados da década de 1970, o Council on Chiropractic Education (CCE) (Conselho de Educação Quiroprática) requereu ao Departamento de Educação dos Estados Unidos seu reconhecimento como órgão credenciador da formação quiroprática. O CCE foi intensamente influenciado pelos colégios de tendências mais liberais, o que levou a um aumento das exigências educacionais, tanto antes quanto durante a formação quiroprática. A quiropraxia é exercida em todo o mundo, mas a vasta maioria da formação quiroprática continua ocorrendo nos Estados Unidos. O final dos anos 1970 encontrou expressivo aumento no reconhecimentoda quiropraxia na Austrália e na Nova Zelândia, e seus adeptos são participantes de programas de saúde nesses países.
           

Referências
GREENMAN, Philip E. Princípios da Medicina Manual. 2 ed. São Paulo: Editora Manole, 2001.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

TRATAMENTOS NÃO CIRÚRGICOS PARA A COLUNA VERTEBRAL


TRATAMENTOS NÃO CIRÚRGICOS PARA A COLUNA VERTEBRAL
16/07/12
Tratamento com a Fisioterapia são ótimas opções para tratar problemas de coluna
Quando o disco, a cartilagem entre as vértebras da coluna, está em crise, os incômodos não tardam a aparecer. E só depois de muita avaliação que os especialistas no assunto podem bater o martelo para a melhor terapia. Às vezes, opta-se pelo controle da dor por meio de medicamentos. Outras tantas, recorre-se à fisioterapia. Ou, então, a solução está na cirurgia - minimamente invasiva ou não. Porém, muitos concordam que, em boa parte dos casos, o tratamento é paliativo. E mais: se o paciente não toma alguns cuidados ou faz exercícios físicos sem orientação, a dor voltará a dar o ar de sua desgraça.

Não por acaso, o fisioterapeuta cearense Helder Montenegro resolveu estudar o assunto para buscar mais uma alternativa no combate às encrencas no disco vertebral. Depois de trabalhos e viagens, o expert trouxe dos Estados Unidos dois equipamentos que, segundo ele, trazem alívio para os problemas de coluna, entre eles, a hérnia de disco, a desidratação e degeneração discal e a instabilidade vertebral.

Um desses aparelhos é a mesa de tração eletrônica. Ela lembra uma cadeira de dentistas e é acoplada a um computador, por meio do qual o profissional poderá calcular as cargas aplicadas ao paciente. Ao contrário das mesas de tração antigas, usada nos anos 1970, esta depende do que é programado pelo fisioterapeuta. O paciente é preso pelo tórax e pelos quadris por cintos que o conectam ao equipamento. Depois de calculados o peso e a quantidade de etapas em que o procedimento será realizado, são programados os movimentos de tração, compressão e relaxamento da coluna, com a definição de uma carga mínima e outra máxima. Tudo para não prejudicar a musculatura da região.

"Os movimentos realizados na mesa imitam aqueles feitos no dia-a-dia", explica Montenegro. E são eles que promovem uma abertura entre uma vértebra e outra. Assim, o nervo que passa pela coluna não fica comprimido. Em outras palavras, não há dor. "Quando o disco é pressionado pelas vértebras, diminui a quantidade de oxigênio que ele recebe e aumenta a concentração de hidrogênio", afirma o fisioterapeuta. "Isso faz com que o pH da região se torne ácido, favorecendo a irritação e a dor", completa. Depois de entrar em ação, a mesa ajuda a preservar esse espaço e permite que o disco permaneça mais hidratado e, portanto, saudável.

O outro item que auxiliará o combate das hérnias e afins é a mesa de descompressão dinâmica, que também se vale de movimentos nas articulações. "Assim como a outra, esta visa aumentar o espaço intradiscal", conta Montenegro. A diferença é que o especialista recorre a ela quando o paciente já se sente menos incomodado com o problema no disco - geralmente ela é usada depois de o indivíduo passar pela mesa de tração eletrônica.
Você já ouviu falar de estabilizar vertebral? O utensílio vem da Austrália e, quando colocado sob o paciente, verifica as condições da musculatura que sustenta a coluna, especialmente na porção lombar, próxima à cintura. "Ele serve como um guia para trabalhar corretamente esses músculos", diz o fisioterapeuta especialista Helder Montenegro.

O tratamento que reúne esses três aparelhos costuma durar dois meses. Mas, atenção, depois de se submeter a ele, o paciente deve se comprometer a fazer atividades físicas específicas para a manutenção dos benefícios. "Caso contrário, em cerca de um ano e oito meses, o problema pode voltar", conta o fisioterapeuta. Os exercícios em questão são musculação dirigida e acompanhada por um professor de educação física, ou pilates. Montenegro, aliás, é categórico: "Se o paciente não se compromete a fazer os exercícios, não iremos atendê-lo". Na visão do especialista, eles são imprescindíveis.

As principais contra-indicações da terapia que aposta nessa tríade de aparelhos são os casos de hérnia de disco aguda. "Não a recomendamos a pacientes que, por causa do problema, têm incontinência urinária ou já perderam a força nas pernas", avisa Montenegro. Baseado em pesquisa com 30 pacientes, o especialista assegura que 87% deles se consideram satisfeitos com o tratamento.

Procuramos ortopedistas e cirurgiões para ouvir outras visões sobre a terapia. Eles preferiram não emitir opinião uma vez que, como o uso das mesas é recente, ainda poucos a conhecem suficientemente bem para uma análise correta. Sem contar que existem poucos trabalhos científicos a respeito.

Fonte: Revista Saúde

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

O que é Hérnia de Disco??? - hérnia de disco na coluna



Hénia de disco, é uma patologia que acomete uma estrutura da coluna chamada de Disco Intervertebral.

O disco intervertebral possui duas partes distintas. Uma mais externa, de tecido mais duroe denso, chamada de anel fibroso, e outra, interna, de tecido menos consistente, gelatinoso qua chamamos de núclo puposo.

 A hérnia se origina com o rompimento da parte externa do disco, fazendo com que o núcleo se desloque, podendo provocar: inflamação local, compressão de raizes nervosas e até mesmo compressão da medula. Isso pode resultar em dores intensas, locais, ou irradiadas.

Fatores genéticos, sedentarismo, fraquesa muscular, e traumatismos podem ser fators determinanes para o surgimento das hérnias.

Hérnia de disco não é doença de idoso, pois com o passar dos anos, o núcleo se desidrata, diminuindo muito o risco de romper o anel fibroso e causar danos.

Copyright © Todos os direitos reservado para Felipe Ribeiro Mascarenhas
 
Atenção!
Se você deseja reproduzir, ou divulgar esse texto deve inserir o nome do autor e o endereço do sitewww.colunasemdor.com.br logo abaixo do título do texto.